quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Furacão Sandy


Até as pragas foram vítimas do furacão Sandy, que acaba de atingir os Estados Unidos.
Segundo reportagem da Folha de São Paulo, em Nova York, além de prédios inundados e carros destruídos, também é possível ver pelas calçadas vários ratos mortos. Apesar de serem excelentes nadadores e poderem ficar mais de 3 minutos embaixo da água sem respirar, muitos ratos não resistiram à força do furacão.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Barata, papagaio de pirata

Uma barata resolveu ficar passeando em cima de um repórter durante uma transmissão ao vivo.
Acho que ele não percebeu ou teve muito sangue frio.
Imaginem a cena dele gritando e pulando se visse o bichinho ali!


quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Lançamento Descobrindo os Bichos do Jardim

O lançamento do meu novo livro será dia 06/10, das 15h00 as 18h00, na Livraria da Vila, na Rua Fradique Coutinho, 915, São Paulo.
Estão todos convidados.

Descobrindo os Bichos do Jardim

Oi Pessoal,
Estive estes meses parado, na correria do dia a dia, mas trago agora uma boa notícia.
Estou lançando um novo livro: Descobrindo os Bichos do Jardim.
Voltado para crianças dos de todas as idades, o livro trás informações básicas e curiosidades sobre os diversos animais que podemos encontrar no jardim de casa, em uma praça ou um parque.
Um ótimo ponto de partida para uma aventura na natureza.


quinta-feira, 7 de junho de 2012

A Fazenda tem um novo participante - Um Rato


As pragas realmente estão afim de aparecer na tv. No post anterior, mostrei elas invadindo um show. No Big Brother elas também já apareceram várias vezes. Até o presidente Obama, já interagiu com elas.Agora resolveram participar do programa A Fazenda.
O participante selecionado foi um rato. Ele apareceu no celeiro e deixou o ator Lui Mendes em pânico, querendo partir logo para a violência. Após alguns protestos e direito até ao corte da imagem, o ratinho acabou indo para o quarto branco, ou melhor, para uma caixinha plástica mesmo, onde ficou sendo observado pelos demais participantes.

Colbie Caillat é atacada por insetos durante show nos EUA

MATÉRIA DO PORTAL VÍRGULA



A cantora Colbie Caillat, de 27 anos, estava se apresentando na última quinta-feira (31) emPittsburgh, nos Estados Unidos, quando foi atacada por insetos.
Eles foram pra cima dela durante a capela de seu maior hit, Bubbly.
Colbie gritou e correu com seu para trás do palco. "Me desculpem, mas isso é realmente assustador. Desculpem, não posso evitar. Posso ir embora?", brincou ela, que retomou a frente do palco para terminar a música.

Mais tarde, no Facebook, ela repetiu o pedido de desculpas. "Meu Deus, estou traumatizada pelo zilhão de insetos que literalmente choveram em mim enquanto cantava".
Confira o momento do ataque no vídeo abaixo: 

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Pragas em Roland Garros


   Não são só as pessoas que costumam lotar as arquibancadas de Roland Garros, um dos mais prestigiados torneios de tênis.
   Os pombos, muito comuns na capital francesa, também adoram se empoleirar pelas quadras, atrapalhando espectadores e tenistas.
     Tentando resolver este problema a polícia francesa usará falcões para espantar os pombos. Predadores naturais das pombas, estes bichanos terão a missão de patrulhar as quadras e manter as pombas afastadas.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Baratas precisam de amigos


Cientistas franceses, estudando as duas espécies de baratas que são mais comuns em residências, constataram que as baratas são altamente sociáveis, vivendo em grupos sem hierarquia onde as decisões podem ser tomadas de forma conjunta.
Eles viram também que ao serem isoladas do seu grupo e postas para viverem sozinhas as baratas demoram mais para se desenvolver e adoecem com mais frequencia, aumentando a taxa de mortalidade. Ou seja, elas não gostam de ficar sozinhas.
Outra constatação é que as fezes das baratas tem um papel muito importante na vida em grupo, ajudando elas a identificarem seus familiares e evitarem cruzamentos entre irmãos.
fonte:http://hypescience.com/bestas-sensiveis-porque-baratas-precisam-de-amigos/

quarta-feira, 25 de abril de 2012


ARTIGO DO DIÁRIO DE BIOLOGIA

Conheçam as incríveis superformigas!

A natureza dos insetos sempre nos surpreendendo. E quem imagina que “super inseto” é coisa de 300 milhões de anos atrás, está enganado. Existe um gênero de formigas (Pheidole) capaz de produzir superformigas-soldados muito maiores que o normal, geralmente com a cabeça e mandíbula muito desenvolvida e que podem assustar qualquer inimigo. E o objetivo é mesmo este!
Através de uma dosagem mais elevada de hormônio juvenil na fase larval, super soldados se desenvolvem. Na verdade, em todas as formigas a quantidade de hormônio juvenil na fase larval determina o destino quando adultas. Se os níveis desse hormônio forem baixos, as larvas vão se tornar pequenas formigas operárias; se os níveis do hormônio ultrapassarem um limite máximo, as larvas continuarão a crescer e, por fim, irão se transformar em formigas-soldados. As larvas, que no início eram como outra qualquer, recebem uma dosagem ainda maior do hormônio que excedem a quantidade ideal para a obtenção de formigas soldados normais. Esta dosagem excessiva faz com que a metamorfose das formigas seja mais longa, permitindo que elas cresçam ainda mais e se tornem superformigas-soldados.
As super formigas não tem outra utilidade que não seja proteção do formigueiro. Com suas cabeças muito maiores elas fecham a entrada do ninho não permitindo que intrusos se atrevam, e caso esses resolvam encarar, as super soldados ainda possuem mandíbulas gigantescas e uma força além do normal. Na Science, os pesquisadores garantem: qualquer espécie pode se tornar uma super formiga, desde que a dosagem de hormônio juvenil se exceda o segundo limite!

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Rato do tamanho de gato assusta população nos Estados Unidos

Um exemplar do rato gigante da Gâmbia

Douglas C. Pìzac/Associated PressUm exemplar do rato gigante da Gâmbia

ARTIGO DA FOLHA.COM
Uma espécie de rato africano que há dez anos tem sido combatido no sul da Flórida, nos Estados Unidos, voltou a incomodar a população depois de ter sido dado como erradicada.
Pesando em média 4 kg e com comprimento de até 90 cm da cabeça a ponta do rabo, os ratos têm o tamanho de gatos domésticos.
Os roedores teriam chegado ao país trazidos por um colecionador de animais exóticos e se alastrado pela região depois da fuga de oito deles.
A região foi considerada livre dos animais em 2009 pela Comissão de Conservação da Vida Selvagem da Flórida, mas foram encontrados sinais do retorno dos ratos vindos da Gâmbia dois anos depois.
O rato gigante é considerado um problema pelo desequilíbrio ambiental que eles podem causar e pelas doenças transmitidas pelo animal, como a "varíola dos macacos", que atingiu alguns lugares dos EUA em 2003.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Os machos das moscas, rejeitados pelas parceiras, afogam suas magoas no álcool




MATÉRIA RETIRADA DO PORTAL G1
Uma mosca entra no bar, chama o garçom e diz: “para matar a tristeza, só mesa de bar". A cena é surreal, mas tem algum fundamento científico – exceto pelo fato de que ainda não há estudos mostrando que moscas sejam fãs de Reginaldo Rossi.
Mas há sim uma pesquisa que mostra que o álcool é uma saída, ou pelo menos um consolo, para a dor de cotovelo na espécie  – onde quer que esteja o cotovelo de uma mosca.
Depois, os insetos puderam optar entre dois tipos de alimentos – com ou sem álcool. Foi quando os cientistas descobriram que as moscas rejeitadas gostam da bebida alcoólica – bem mais do que as que conseguiram sexo.
A experiência que chegou a essa conclusão foi feita nos laboratórios da Universidade da Califórnia em São Francisco, nos EUA. As moscas macho foram separadas em dois grupos – um deles foi colocado ao lado de fêmeas virgens, que permitem a cópula, e o outro teve contato com fêmeas arredias.

Acontece que o sexo eleva o nível de uma substância chamada “neuropeptídeo F”, ligada ao chamado sistema de recompensa do cérebro. Quanto menor esse nível, maior a chance de que a mosca consuma álcool.
Como se trata de uma relação química, a descoberta pode ser desenvolvida a ponto de explicar mecanismos do alcoolismo em humanos. A pesquisa foi divulgada pela “Science”, uma das mais prestigiadas revistas científicas do mundo, nesta quinta-feira (15).

quarta-feira, 21 de março de 2012

Charge McBaratas

O chargista Maurício Ricardo não perde uma! Aproveitando a história do McDonalds, comentada no post anterior, vejam a charge que ele fez:

terça-feira, 20 de março de 2012

Com baratas, McDonald's fecha por três dias em Porto Alegre



Reportagem da folha.com

FELIPE BÄCHTOLD
DE PORTO ALEGRE

Uma lanchonete do McDonald's ficou fechada por três dias em Porto Alegre após a Vigilância Sanitária constatar problemas de higiene, como presença de baratas.
O restaurante foi fiscalizado no sábado (17) e interditado em seguida. Além de ordenar uma desinsetização no local, o órgão de saúde da Prefeitura de Porto Alegre diz ter encontrado também excesso de gordura em equipamentos da lanchonete.
Após nova vistoria na segunda-feira (19), os fiscais verificaram que ainda havia problemas no estabelecimento. O local funciona na praça de alimentação do shopping Praia de Belas, na região central da capital gaúcha.
Nesta terça-feira, após nova visita da Vigilância Sanitária, os responsáveis pela lanchonete conseguiram autorização para voltar a abrir.
A assessoria do shopping diz que quem deve se manifestar sobre o caso é o McDonald's.
Procurada, a empresa, por meio de sua assessoria de imprensa, informou apenas que está em dia com a documentação e higienização do restaurante e que o local já opera normalmente.


Comentário Blog das Pragas

Apesar desta situação não ser tão comum nas grandes redes, todos os estabelecimentos que lidam com alimentos são vulneráveis a este tipo de problema. Muitos restaurantes realizam o controle de pragas a cada seis meses. Este prazo é o aconselhável para residências, mas para estabelecimentos alimentícios sugiro que este controle seja feito no mínimo com visitas mensais. Em grandes redes, onde a circulação de pessoas e mercadorias é muito intensa, deve ser feito um acompanhamento permanente, com visitas de inspeção quinzenais ou até semanais. O problema é que isto custa dinheiro e, por isso, muitas vezes é deixado em segundo plano.
A principal causa de problemas em lanchonetes á a barata Blatella germanica, mais resistente e de reprodução mais intensa que as baratas comuns.

segunda-feira, 5 de março de 2012

A Importância dos Morcegos


Morte de morcegos pode causar prejuízos econômicos e ambientais

A morte de morcegos pode trazer um prejuízo anual de R$ 6 bilhões para a agricultura americana por gastos com pesticida e queda de produtividade. Atualmente, as populações do animal sofrem um grave declínio nos EUA. Os autores do estudo publicado na Science afirmam que as conclusões servem de alerta para outros países, entre eles o Brasil. 

Cerca de 1 milhão de morcegos americanos morreram nos últimos anos. Com isso, até 1,3 mil toneladas de insetos deixaram de ser devoradas anualmente, ameaçando cultivos e florestas. "Sem dúvida, morcegos insetívoros também desempenham um papel importante no controle de pragas no Brasil", afirma o autor do artigo, Justin Boyles, da Universidade de Pretória, na África do Sul.
Os pesquisadores Susi Pacheco, do Instituto Sauver, em Porto Alegre, e Carlos Esbérard, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), realizaram um cálculo semelhante ao dos americanos. "Cerca de 500 morcegos insetívoros, cada um pesando 10 gramas, consumiriam 6 toneladas de insetos por ano", pondera Susi. "Além disso, como há uma grande diversidade de morcegos no Brasil, eles realizam outros serviços importantes para a regeneração de florestas: polinização e dispersão de sementes", pondera Boyles.
O brasileiro Marco Mello, pós-doutorando da Universidade de Ulm, na Alemanha, publicou há um mês um artigo na PLoS One sobre as interações entre plantas frutíferas e morcegos no Brasil. Eles constituem o segundo grupo dispersor de sementes mais importante. Perdem apenas para as aves.
Mello mostrou que as redes de alimentação que envolvem morcegos são mais suscetíveis à extinção que as que envolvem aves. Na prática, o desaparecimento de uma espécie causa um impacto maior na saúde do ecossistema. Outros estudos apontam que os morcegos costumam cuidar da dispersão das sementes de plantas pioneiras - aquelas que iniciam um processo de reflorestamento. As aves seriam responsáveis principalmente pelas árvores mais tardias. Ou seja, em áreas degradadas ou fragmentadas, os morcegos desempenhariam um papel importante.
Fonte: Terra Ciência
Postagem compartilhada do blog Tudo de Bio

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Gosma no sapato!



Quem nunca pisou em uma barata e morreu de nojo daquela gosma que fica no sapato?
Esta gosma é a gordura do corpo da barata que serve como estoque de energia e ajuda na sua desintoxicação de substâncias nocivas como os inseticidas.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Cheirando cupins



Assim como existem cachorros treinados para encontrar drogas através do seu olfato apurado, também existem alguns que foram treinados para encontrar cupins. Eles são capazes de localizar ninhos de cupins até mesmo dentro de paredes.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012


Matéria reproduzida do site Ciência Hoje para Crianças

Atletas de laboratório



Você já viu por aí ratos que jogam basquete? Pois vai ver agora!

“Fred passa na frente de Schetoos e enterra a bola na cesta, finalizando o emocionante jogo na Universidade Positivo.” Se você imaginou jogadores bem altos agitando essa partida de basquete errou feio, pois ela é estrelada por atletas pequeninhos: ratinhos de laboratório.Dois ratos de laboratório jogando basquete

(Foto: Rodrigo Puppi)
Liderados pelo psicólogo Hélder Gusso, alunos da Universidade Positivo, no Paraná, ensinaram os roedores a colocarem uma pequena bola amarela dentro da cesta de basquete em miniatura. A cada acerto, o animal ganhava um cereal bem gostoso de presente, o que aumentava a vontade de fazer mais pontos. “Escolhemos o basquete porque, nele, os ratos podem segurar a bolinha com a boca e se movimentar bem rápido para completar a jogada”, conta o psicólogo.
Muito espertos, os roedores dão um show nas pequenas quadras montadas pela equipe e surpreendem a torcida. “Muita gente não acredita que os ratos possam ser tão inteligentes. A verdade é que qualquer animal é capaz de aprender, desde que a pessoa que ensina conheça como funcionam seus processos de aprendizagem e seja muito sensível ao comportamento do animal”, explica o pesquisador.
Ratinho de laboratório faz cesta

(Foto: Rodrigo Puppi)
Além de divertida, a pesquisa pode nos ajudar a entender como se dá a aprendizagem do comportamento humano. Assim como nós, cada rato tem uma personalidade – alguns são mais calmos, enquanto outros são agitados – e essa pesquisa ajudou a equipe a entender as dificuldades que cada animal tem na hora de aprender. Segundo Hélder, saber lidar com as diferenças individuais ajuda a criar melhores condições de ensino para cada aluno, sejam eles humanos ou roedores.
Os 15 ratinhos que fizeram parte do projeto agora são astros do basquete e se apresentarão em escolas, creches e orfanatos. Para dar uma conferida no talento desses pequenos atletas, assista ao vídeo abaixo.

(Vídeo cedido pelo professor Hélder Gusso)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Ratos com parceiras são menos vulneráveis às drogas





Laços afetivos diminuem o prazer sentido com substâncias químicas
 
Vários estudos têm mostrado relação entre ausência de vínculos afetivos e maior vulnerabilidade à dependência química. Agora, uma pesquisa com ratos silvestres expostos à anfetamina mostra que os animais com parceiras sexuais fixas procuram repetir as doses da substância com menor freqüência que os roedores “solteiros”.

A droga ativa a produção de dopamina, neurotransmissor associado ao prazer. Segundo a autora do estudo, a neurocientista Kimberly Young, da Universidade do Estado da Flórida, o cérebro dos ratos em relações estáveis tinha menos receptores ao composto químico. O experimento mostra que os laços afetivos nos deixam menos suscetíveis ao prazer obtido com as drogas.

Notícia retirada do site da revista Mente e Cérebro