sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Gosma no sapato!



Quem nunca pisou em uma barata e morreu de nojo daquela gosma que fica no sapato?
Esta gosma é a gordura do corpo da barata que serve como estoque de energia e ajuda na sua desintoxicação de substâncias nocivas como os inseticidas.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Cheirando cupins



Assim como existem cachorros treinados para encontrar drogas através do seu olfato apurado, também existem alguns que foram treinados para encontrar cupins. Eles são capazes de localizar ninhos de cupins até mesmo dentro de paredes.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012


Matéria reproduzida do site Ciência Hoje para Crianças

Atletas de laboratório



Você já viu por aí ratos que jogam basquete? Pois vai ver agora!

“Fred passa na frente de Schetoos e enterra a bola na cesta, finalizando o emocionante jogo na Universidade Positivo.” Se você imaginou jogadores bem altos agitando essa partida de basquete errou feio, pois ela é estrelada por atletas pequeninhos: ratinhos de laboratório.Dois ratos de laboratório jogando basquete

(Foto: Rodrigo Puppi)
Liderados pelo psicólogo Hélder Gusso, alunos da Universidade Positivo, no Paraná, ensinaram os roedores a colocarem uma pequena bola amarela dentro da cesta de basquete em miniatura. A cada acerto, o animal ganhava um cereal bem gostoso de presente, o que aumentava a vontade de fazer mais pontos. “Escolhemos o basquete porque, nele, os ratos podem segurar a bolinha com a boca e se movimentar bem rápido para completar a jogada”, conta o psicólogo.
Muito espertos, os roedores dão um show nas pequenas quadras montadas pela equipe e surpreendem a torcida. “Muita gente não acredita que os ratos possam ser tão inteligentes. A verdade é que qualquer animal é capaz de aprender, desde que a pessoa que ensina conheça como funcionam seus processos de aprendizagem e seja muito sensível ao comportamento do animal”, explica o pesquisador.
Ratinho de laboratório faz cesta

(Foto: Rodrigo Puppi)
Além de divertida, a pesquisa pode nos ajudar a entender como se dá a aprendizagem do comportamento humano. Assim como nós, cada rato tem uma personalidade – alguns são mais calmos, enquanto outros são agitados – e essa pesquisa ajudou a equipe a entender as dificuldades que cada animal tem na hora de aprender. Segundo Hélder, saber lidar com as diferenças individuais ajuda a criar melhores condições de ensino para cada aluno, sejam eles humanos ou roedores.
Os 15 ratinhos que fizeram parte do projeto agora são astros do basquete e se apresentarão em escolas, creches e orfanatos. Para dar uma conferida no talento desses pequenos atletas, assista ao vídeo abaixo.

(Vídeo cedido pelo professor Hélder Gusso)